História do Vinho em São Roque

Trabalho de Conclusão de Curso - 2008:
A Imigração italiana e portuguesa no contexto do desenvolvimento da indústria vinicultora de São Roque e Região 

Caso tenha interesse em conhecer o trabalho completo, clique no link: 

.:..:..:..:..:..:..:..:.

Na região de São Roque, podemos identificar referências à vitivinicultura desde a sua fundação, por volta do final do século XVII (c. 1657). Conforme informações encontradas e divulgadas pelos moradores da cidade, através da tradição oral, ou mesmo citado pelo Professor Joaquim Silveira dos Santos em seu artigo para a Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, volume XXXVII, nessa época toda a região pertencia a apenas três grandes proprietários de terras: Pedro Vaz de Barros, seu irmão Fernão Paes de Barros e o padre Guilherme Pompeu de Almeida, sendo que Pedro Vaz (tido como o fundador da cidade) se estabeleceu próximo da atual igreja Matriz, seu irmão mais ao norte, onde até hoje ainda se encontra a casa grande e capela Santo Antonio, e por fim a fazenda do padre Guilherme Pompeu se encontrava na hoje atual cidade de Araçariguama que faz divisa com Santana do Parnaíba.
Poucas informações temos em relação ao sucesso ou não dessa empreitada, de trazer uvas portuguesas e adaptá-las ao solo brasileiro e fabricação do vinho
Nas páginas do romance “A Cruz de Cedro”, do autor são-roquense Antonio Joaquim da Rosa, identificamos uma referência ao vinho fabricado pelo padre Guilherme Pompeu de Almeida:
"Augusto de Lara apenas tomou duas colheres de caldo de frango e um gole desse precioso vinho que o Dr. Guilherme fabricava na sua fazenda em Araçariguama e do qual ainda restavam algumas garrafas na adega do colégio, que o gorducho e rubicundo padre despenseiro de quando em quando cedia aos amigos íntimos, em alguns bons momentos, mas não sem grande sentimento da sua garganta e do seu estômago."[1]
Outra referência a cultura do vinho na região de São Roque nos primórdios da sua fundação é encontrada na obra do professor Silveira Santos, “São Roque de Outros”, onde ele cita a obra de Azevedo Marques:
"Foi a casa e fazenda de Pedro Vaz de Barros um povoado tal que bem podia ser vila. Teve grande tratamento correspondente ao grosso cabedal que possuia, entre o qual contava-se uma copa de prata de muitas arrobas. A sua casa era diariamente frequentada de hospedes e parentes, e nella se fabricava a pão e vinho em abundancia."[2]
Esses poucos relatos à vinicultura, tida mais para uso doméstico do que comercial é explicada pelo professor Inglez de Souza:
"[...] se essa viticultura limitou-se quase ao cultivo doméstico, com esporádicas finalidades econômicas, saiba-se que isso se deve às razões como mentalidade aventureira, economia colonial e finalmente a absorção das energias do bandeirantismo."[3]
Portanto realmente não podemos esperar grandes referências desse período da nossa história, temos que nos atentar que o Brasil era apenas uma colônia e que existiam restrições da fabricação de qualquer tipo de produto em nosso solo, ou seja, em tese tudo deveria vir de Portugal, inclusive o vinho.
Outro fator que pode ter influenciado e não ter feito prosperar o cultivo da videira seria a prioridade da época de então, que era a descoberta de ouro, principalmente na região das Minas Gerais. Sabemos que São Paulo até então era somente um vilarejo sem grande importância econômica para a metrópole portuguesa, e se bem analisarmos a história da agricultura brasileira a uva e o vinho nunca foram tidos como principal interesse por parte de nossos colonizadores.
Conforme descreve Lia Alejandra Borcosque Romero em sua dissertação de mestrado para a Universidade Campinas (UNICAMP): A Vitivinicultura no Estado de São Paulo (1880 – 1950):
“Com a instauração da estrada de ferro em 1875, as condições demográficas e econômicas começaram a se modificar. Os trabalhos de construção da estrada atraíram para São Roque uma população de engenheiros, técnicos, comerciantes, empreiteiros, etc, de várias nacionalidades, que agitaram a vida sãoroquense. Essa situação se consolidou ainda mais com o estabelecimento das oficinas da Sorocabana. A ferrovia intensificou as relações com São Paulo e com o sertão, impulsionando o desenvolvimento demográfico.”[4]
Se analisarmos São Roque durante esse período de estagnação, veremos que ainda era apenas um pequeno vilarejo talvez de difícil acesso, e somente com a vinda da ferrovia, conforme citado por Lia, veio a se tornar verdadeiramente uma cidade.
Após esse longo período de estagnação, o primeiro registro oficial de plantação de uvas na região de São Roque se dá por volta de 1865, quando o Doutor Eusébio Stevaux inicia uma pequena plantação na sua fazenda em Pantojo. Pela mesma época, um colono italiano adquire uma pequena propriedade no bairro de Setúbal, alguns anos mais tarde um português na terra do então Sítio Samambaia forma um razoável vinhedo e inicia o processo de fabricação do vinho.
Em suma até o início do século XX existiam em São Roque aproximadamente doze produtores de vinhos, sendo cinco deles italianos.
O que possibilitou o retorno da cultura da uva e fabricação do vinho foi a importação de videiras oriundas dos Estados Unidos, pois estas eram mais resistentes ao clima brasileiro. Dentre as principais videiras trazidas estão inicialmente a “Izabel” (c. 1830 – 1840), a “Seibel 2” (importada da França), curiosamente trazida por imigrantes italianos que se instalaram na região e posteriormente a “Niágara Branca” (c. 1904-1905), oriunda da região do Alabama, EUA.
Podemos com certeza afirmar (e isto será motivo de estudo no próximo capítulo deste trabalho) que a imigração primeiramente italiana (numa escala maior) e depois a portuguesa, impulsionou grandemente o desenvolvimento da indústria vinicultora não só são-roquense, mas no Estado de São Paulo como um todo, citando como exemplo a cidade de Jundiaí que apresenta características de desenvolvimento bem parecidas com a cidade de São Roque.
[...] “É quase certo que vários lavradores, sobretudo portugueses e italianos, começaram simultaneamente suas tentativas nesse ramo agrícola, entre 1880 e 1890[..]”.[5]
Portanto, podemos dividir o período da cultura vinícola são-roquense, desde a fundação de São Roque até a época atual em quatro fases distintas, conforme demonstrado na figura abaixo.



1ª fase: c.1657 – c. 1880: importação de videiras portuguesas, plantações domiciliares, sem qualquer cunho comercial, ou seja, somente para consumo próprio.
2ª fase: c.1880 – c. 1900: Retomada da viticultura são-roquense, ainda que amadora, quase que familiar, continua voltada basicamente para o consumo e pequeno varejo. Já apresenta uma tendência a profissionalização graças às técnicas trazidas pelos imigrantes italianos e portugueses. Já se utiliza da videira americana que melhor se adaptou ao clima tropical brasileiro (talvez seja este um dos principais fatores de sucesso do cultivo da uva na região de São Roque);
3ª fase c.1900 – até aproximadamente final da década de 1950: processo de industrialização e profissionalização da produção do vinho com aplicações de técnicas mais modernas permitindo assim obter resultados e performance melhores.
Podemos dividir esta fase primeiramente num período de início do processo de profissionalização e logo após (a partir da década de 1920), o período em que realmente a região investiu e desenvolveu as técnicas vinicultoras, durando até aproximadamente a década de 1950, onde após a massificação da produção entra num processo de decadência.
4ª. fase (década de 1960 – atual): esta fase engloba o processo de decadência da viticultura são-roquense. Por motivos econômicos e climáticos e podemos até mesmo afirmar que por falta de investimentos em pesquisas, que se reduziram sensivelmente tanto a qualidade como a quantidade de vinho produzido, levando ao fechamento de diversas adegas (isso principalmente a partir da década de 1980). São Roque permanecendo hoje somente com o título de “terra do vinho”, sendo que os poucos fabricantes que restaram (aproximadamente treze adegas) fabricam seu vinho não de uvas nativas de São Roque, mas sim oriundas de outras partes do Estado ou mesmo de outros estados (exemplo: Rio Grande do Sul).
Há atualmente um movimento para tentar a reversão dessa situação, porém continua bem modesto em relação a todo o histórico e números do passado no ápice do cultivo da videira em São Roque.
Na tabela e no gráfico a seguir podemos ver nitidamente o crescimento, principalmente a partir da década de 1920, a qual o maior número de imigrantes italianos se instalou na cidade de São Roque, e um crescimento realmente expressivo a partir da década de 1940; em suma, em 43 anos a produção de vinhos aumentou 606%, uma média de 14% ao ano. Utilizando-se de um período menor para análise, comparando a década de vinte com a década de quarenta, ou seja, em vinte anos, percebemos um aumento de 274%.
Com isso podemos com certeza afirmar que a produção do vinho deixou de ser simplesmente para consumo próprio ou venda ‘entre conhecidos’, para se tornar efetivamente um negócio, uma indústria, que alavancaria a cidade por um longo período.

Fonte: MATTOS, Dirceu de Lino, “Vinhedos e Viticultores de São Roque e Jundiaí”, São Paulo, 1951, p.49




Perceba no gráfico a seguir a curva de crescimento ocorrido a partir da década de 1920.

Fonte: MATTOS, Dirceu de Lino, “Vinhedos e Viticultores de São Roque e Jundiaí”, São Paulo, 1951, p.49

Um dos fatores que possibilitaram que a vitivinicultura em São Roque tomasse proporções profissionais foi quando em 1928 (provando a tese de que foi a partir da década de 1920 que a indústria vinífera se profissionalizou), durante o governo de Julio Prestes, é fundada a Estação Experimental de São Roque, que durante muitos anos faz experimentos com diversos tipos de videiras, enxertos e misturas dos diversos tipos de vinhas já existentes na região e outras importadas da Europa ou mesmo da América do Norte; o resultado dessas pesquisas era a distribuição de castas de parreiras aos produtores locais que poderiam aprimorar o cultivo da uva e produção do vinho.
A cidade de São Roque nesse período áureo esteve num estágio de profissionalização da produção do vinho, chegando até mesmo a se criar um curso específico para viticultura e enologia, ministrado através da Cooperativa Vinícola e Agrícola, o qual era dirigido pelo Dr. Antonio Picena.
“A Estação Experimental dispunha de uma pequena adega, onde são vinificados as variedades para determinação de suas principais características enológicas.” [6]
Próximo do ápice da indústria do vinho são-roquense, foi realizada em 1942 por iniciativa do Dr. Cláudio Cecil Roland, a primeira “Festa do Vinho de São Roque”, inicialmente no local onde hoje se encontra o Largo dos Mendes, na época chamado “Campo da Associação”. Festa esta que atraía pessoas de todo o Estado de São Paulo, fazendo com que o vinho são-roquense se tornasse conhecido nacionalmente (ainda hoje São Roque é conhecida nacionalmente como a “Terra do Vinho”). Um fator crítico nesse processo foi a massificação e popularização do processo de produção, ou seja, para atender a demanda tornou-se necessário o aumento da produção, pecando-se assim na qualidade do produto e na infra-estrutura de atendimento das pessoas que vinham a São Roque para participar da festa.
Talvez esse tenha sido o período em que mais surgiram indústrias vinícolas na região. Em 1956 existia um total de 93 produtores entre grandes e pequenos proprietários. A Tabela a seguir demonstra como estava dividida a indústria vitivinicultura são-roquense neste período, em apenas oito anos a produção aumenta 237%.



Fonte: MUNICÍPIO DE SÃO ROQUE, Almanaque 3º Centenário, 1957

As dezessete maiores empresas viticultoras da região de São Roque eram responsáveis por 63% da produção de vinho, sendo que os demais 76 produtores representavam apenas os outros 37%, ou seja, dos mais de seis milhões de litros produzidos neste ano, somente 2.400.000 vinham da pequena indústria vinífera. Diante destes números podemos chegar a conclusão que a alavancagem da produção vinífera da região de São Roque alcançou proporções industriais e, como citado neste trabalho, nem sempre a quantidade se torna sinônimo de qualidade, conforme pode-se notar a seguir através da citação que Lia Alajandra faz em sua tese, tendo como fonte o “Relatório do Instituto Agronômico de Campinas”.
“Prescutándo-se com serenidade a situação de desprestígio em que se acha a indústria vinícola pàulista, ressalta logo aos olhos, como causa primordial, a inferioridade da matéria prima de que são originados os nossos vinhos. [...] Partindo-se da Seibel 2, colhida nos nossos maiores centros vitícolas, com menos de 10 % de açúcar e elevadíssima acidez tartárica, não é possível senão chegar-se a uma bebida prejudicial à saúde pública. Bastante expressiva nesse particular é a estatística do Servício Sanitário, pela qual se prova que num espaço de tempo de 10 anos apenas ingerido zurrapa.”[7]
Assim, após um longo trabalho e intensa fiscalização, aparentemente essa situação acabou por se resolver e após alguns anos e numerosas análises de vinhos de São Roque acusavam notável diminuição do grau de acidez, que era o principal índice da qualidade da bebida.
“Os vinhos do município são ultimamente mais harmônicos, menos agrestes, mais conserváveis pela aplicação de boas regras econômicas, pela regularização da fermentação alcólica, pelo desengaço da uva. Observa-se em São Roque outro facto curioso e muito significativo: o pequeno viticultor, por mais necessitado que esteja de dinheiro, já não vende, como poucos annos atras, os seus vinhos quinze dias após a fermentação tumultuosa, lançando no mercado vinhos-mostos, ainda fermentando lentamente, desagradáveis, laxativos. Já aprendeu a dominar sua ansia ou sua necessidade e a expor à venda um produto acabado, senão envelhecido, ao menos descansado e limpo.” [8]

[continuará...]
ou se preferir faça download do trabalho completo através do link: 
https://drive.google.com/folderview?id=0B8EdQqj55_mgeGd2LVFiWGVHQ3M&usp=sharing


Referências:
[1] ROSA, Antonio Joaquim da, “Prosa e Poesia”. Biblioteca Academia Paulista de Letras. São Paulo, 1986, p. 82
[2] SANTOS , Joaquim Silveira, São Roque de Outrora, Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, volume XXXVII, 1939, p.218
[3] DE SOUZA, J.S. Inglez, “Origens do Vinhedo Paulista”, 1959. Prefeitura Municipal de Jundiaí, p.64.
[4] ROMERO, Lia Alejandra Borcosque. A Vitivinicultura no Estado de São Paulo, p. 164. Dissertação Mestrado Universidade de Campinas (UNICAMP), 2004.
[5] SOUZA, J. S. Inglez, “Origens do Vinhedo Paulista”, Jundiaí. 1959, p. 116
[6] MUNICÍPIO DE SÃO ROQUE, Almanaque 3º Centenário, 1957.
[7] ROMERO, Lia Alejandra Borcosque. A Vitivinicultura no Estado de São Paulo, Dissertação Mestrado Universidade de Campinas (UNICAMP), 2004, p. 216, em referência ao Relatório do Instituto Agronômico de Campinas. Estação Experimental de São Roque. Ano 1940.
[8] ROMERO, Lia Alejandra Borcosque. A Vitivinicultura no Estado de São Paulo,  Dissertação Mestrado Universidade de Campinas (UNICAMP), 2004, p. 216,  em referência a REVISTA DE AGRICULTURA DE PIRACICABA. O desenvolvimento da viticultura... Op. Cit. p. 447
[9] ROMERO, Lia Alejandra Borcosque. A Vitivinicultura no Estado de São Paulo, Dissertação Mestrado Universidade de Campinas (UNICAMP), 2004, p. 6.




2 comentários:

  1. poderia por gentileza me enviar o texto completo de: Trabalho de Conclusão de Curso - 2008:
    A Imigração italiana e portuguesa no contexto do desenvolvimento da indústria vinicultora de São Roque e Região,

    o link está com erro. obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, mando sim ... porém preciso do seu email.
      Abs.

      Excluir

Obrigado por seu comentário!