domingo, 26 de dezembro de 2010

.:. Viagem a Salta - Parte 1 .:.

Na quinta-feira 23/12 fui a trabalho a Tucumán (1.500 Km de Buenos Aires) e aproveitei para esticar até Salta, que fica no norte da Argentina, fui de busão, De Tucumán até lá paguei: $95,00 (+/- R$ 44,00); a viagem é tranqüila, dura aproximadamente 4,5 horas e os ônibus até que são bons e seguros. A Debora foi de avião diretamente para Salta e nos encontramos a noite por lá.

Salta é um lugar lindo, e totalmente diferente do resto da Argentina, a aparência do povo não tem nada haver com o restante dos argentinos, são mais parecidos com bolivianos, isso obvio pela região onde vivem, que está a só 400km da Bolívia e também de alguma maneira foi colonizada em certo momento pelos Incas.

Cabildo


Olha só quem eu encontro na principal igreja da cidade... meu velho conhecido São Roque


Para economizar nos hospedamos num hostel, que como todo hostel, não se tem as mesmas mordomias de um hotel, os quartos são super simples, mas em compensação, se paga bem menos e como não estamos aqui prá ficar em hotel, só precisamos do quarto para dormir, o hostel é um lugar perfeito.

Sexta-feira (24/12) fomos fazer um dos passeios, saímos cedinho, 7:15 com destino a San Antonio de los Cobres, um “pueblito” como se diz aqui, que está localizada a 160 km de Salta numa altitude de 3.775 metros, ou seja, muito alto para nós brasileiros. Antes de chegar a esse lugar, subimos a 4.100 metros ... e você sente a diferença já dentro do carro, dá uma mini-tontura... cada vez que subo nessa altitude entendo mais o porque os jogadores de futebol odeiam quando tem jogos na Bolívia, é uma dificuldade para se respirar, mas nada que não dê para agüentar... se claro você está só passeando...



Para chegar a esse lugar você passa por lugares incríveis, uma boa parte dela seguindo a linha do Trem das Nuvens. Seguimos pela Ruta 51, essa Ruta começa com Asfalto e depois boa parte segue por terra, tem uma paisagem muitas vezes desértica, mas linda.

Ruta 51


Nosso guia que se chama Franck Rudzki, em Salta mais conhecido como Franco, uma cara gente fina que fala perfeitamente o espanhol e nos deu altas informações sobre o lugar; primeiro paramos num sítio arqueológico chamado Santa Rosa de Tastil, que está a mais ou menos 105 km da cidade de Salta, fica ao lado de um “pueblito” que leva o mesmo nome, antes de subir ao sítio arqueológico paramos para tomar um cafezinho nesse pueblito e ir ao banheiro, no banheiro tirei uma foto muito interessante, pedindo para que não se jogue folhas de coca no mictório ... pois é a folha de coca nessa região da Argentina é tão utilizada como na Bolívia, e se vende abertamente em bares e lojas do gênero.

"Não jogar folhas de coca"

Franck Rudzki, nosso guia

Estrada que seguimos pela montanha

Neste sítio arqueológico, Pré-Inca, ficamos um bom tempo, buscando pontas de flecha feitas de um tipo de pedra vulcânica... eu encontrei uma pequenininha só que quebrada, é muito difícil de conseguir encontrar porque se mistura com as pedras e areia que formam todo o sítio. Uma pena que os arqueólogos não exploram mais a região, seguramente descobriram mais sobre a história desse povo que de uma hora para outra deixou a região e tudo leva crer que foi por algum fator climático.


Sitio Arqueológico de Santa Rosa de Tastil

Eu e Debora, dando uma de arqueologos


Foto estranha essa... isso é um Cacto Gigante

Aqui você percebe bem o tamanho da criança (cacto), ao fundo se pode se ver todo o tamanho do sítio arqueológico

Algumas muitas dezenas de anos para se chegar a esta altura

Bem, continuando nossa subida, paramos em alguns lugares para fotos e enfim chegamos a San Antonio de los Cobres, pelo que levantei tem aproximadamente 5.000 habitantes, e como disse me senti em plena Bolívia, me lembrou muito a viagem que fizemos em 2007 pela Bolívia, Peru e Chile. Em Los Cobres como é conhecida as ruas não são asfaltadas, o povo é muito simples e assim que vêem um turista chegando já vão aos montes atrás de você (as vezes isso enche o saco) para vender artigos de lã de llama, animal que aliás há aos montes por lá. E ficam bravos se você pechincha ou não compra ou pior, se você compra do concorrente que vende mais barato. Eu comprei um gorrinho, aí não tinha como a menina que me vendeu me negar tirar uma foto com ela. Isso é um assunto sério que aprendi na Bolívia, nunca peça para eles tirar foto com você, se você quer mesmo uma foto com eles, ou você paga ou você compra alguma coisa.

San Antonio de Los Cobres

Uma paisagem bem boliviana

Eu conheci a Bolivia e nessa cidade me senti lá mais uma vez

Casas de Adobe e llamas soltas como se fossem animais de estimaçao

Debora negociando produtos

Gorrinho de $20,00 com direito a uma foto sem cara feia...


O guia nos levou a um restaurante que se você for uma cara “xarope”, “boludo” e “fresco” talvez não coma, muito simplesinho, porém com uma comida deliciosa e o melhor... barata, principalmente pela quantidade que te servem: $40,00 (R$20,00): Empanada de entrada (show de bola), prato principal, refrigerante e sobremesa. Para você ter uma idéia a Debora (quase vegetariana) pediu um frango... os caras serviram ½ frango, ou seja... 1 prato daria seguramente para 2 pessoas.

Restaurante onde almoçamos en "Los Cobres"

Nao vou falar que ela está sem apetite porque ela me proibiu de falar isso


De lá continuamos pela estrada que ainda continua de terra por todo um altiplano (não seria bem altiplano, mas vamos chamar assim porque fica mais fácil de imaginar), você tem a sensação de estar próximo do céu, as nuvens estão tão próximas que fazem uma sombra no chão, bem diferente das que estamos acostumados aqui em baixo. Passamos por uma criação de Llamas, criação de Burros, que lá são animais muito usados, é muito barato comprar um burro, segundo nosso guia, com $700,00 você compra um tranquilamente... aliás, ali acho que você nem precisa comprar... eles ficam totalmente soltos, sem ninguém por perto, que é só colocar um numa caminhonete e ir embora (rsrs)... andamos mais de 1 hora por essa estrada e os poucos carros que vimos eram de turistas como nós, quase ninguém os poucos moradores que vimos vivem em casinhas feitas de Adobe (um tipo de tijolo caseiro)... imagino como deve ser noite por lá, silêncio total, céu estrelado, sem energia elétrica, sem televisão, com um frio quase abaixo de zero e vento ... muito vento.... e falando sobre vento...

Um mundo de burrinhos... linda paisagem, pena que 10 minutos depois esse céu azul deu lugar a uma tempestade de areia

Llamita, daqui a pouco virará almoço

Burrinho, coitado deve sofrer porque o pasto aqui é ralo, quase não há grama

Casal de Vicunhas

Uma pena que nao podemos curtir mais esse lugar devido ao forte vento, isso é uma ruína da epoca dos espanhois, atrás já está o salar...

Cemitério no caminho para o Salar, são dois morros com túmulos

Ele meio que complicou nosso passeio ... estávamos na estrada com destino ao salar: “Salinas Grandes”, que fica já em Jujuy, que é uma outra província argentina. Fomos pegos por uma tormenta de vento, parece brincadeira... tormenta de vento... mas vocês não imaginam o que é um vento forte no meio de um deserto de areia... tentamos sair por duas vezes do carro para tirar algumas fotos de algumas ruínas que estavam a beira da estrada, mas não deu não... o vento era tão forte que tinha sensação que a areia entrava na pele... o carro balançava de um jeito que uma hora o Franck quase fez uma “cagada”, quase perdeu a direção... mas tudo beleza, o cara manja de direção e não aconteceu nada... seguimos até o Salar, são 212 km² de puro sal... eu muito tonto, claro que quis experimentar e saber se realmente era salgado... aquele sal me deu uma “azia” (não sei se é assim que se escreve azia) do cão e não é que é salgado mesmo.

Uma paisagem linda, como se diz em castellano: “muy hermosa”, mesmo com todo o vento que incomodava valeu a pena conhecer esse lugar, agora que mais ainda quero conhecer e cruzar o “Salar do Uyuni” na Bolívia.

Uma imensidão de sal...

A Debora levitando...

Se tivesse calor e sem vento eu entraria aí... uma piscina de sal... eu experimentei a água e é salgada mesmo

Foto típica de turísta...

Veja o vento... estou voando... nem com todo meu peso consegui me manter no chão

Interessante que nesse salar em Jujuy eles “tentaram” copiar o salar da Bolívia, construíram um resturante (que hoje está desativado) todo de sal e é de sal mesmo, eu confirmei, experimentei e as paredes realmente são salgadas...

Aqui era um restaurante, todo construído com pedras de sal

  
Saindo do Salar seguimos agora descendo a montanha pela Ruta 52; levou um tempinho porque as nuvens prejudicavam a visibilidade e tivemos que seguir em baixa velocidade por quase todo o trajeto, só para você ter uma idéia do tamanho da descida, Pumamarca está a 2.324 metros de altitude, contra Salinas que está 3.450 metros... ou seja, mais 1.126 metros de montanha, lembrando claro que voltamos contornando a montanha, ou seja, isso leva tempo pra caramba.

Enfim chegamos a montanha das 7 cores (que fica junto a Pumamarca) por volta das 16:00 hrs, fotos e mais fotos e paramos para tomar uma cervejinha gelada num bar que sinceramente foi um dos melhores da viagem, sabe aquele bar antigo, velho... veja as fotos abaixos e acho que não preciso descrever mais nada, “uma foto vale mais que 1.000 palavras”...

Salta Gelada, $12,00

Ficou legal essa foto

Cão de Guarda, guarda das cervejas

Em frente ao bar do Nerso de Pumamarca, aqui é onde os Pumamarqueanos vão tomar uma gelada

Morro das 7 cores, tava meio nublado, não estava tão bom para tirar fotos

Morro das 7 cores, show de bola...

De lá seguimos para Salta, pois ainda tinha chão para rodar e ainda tínhamos compromisso pela noite...

Enfim uma viagem maravilhosa, que recomendo a todos e é incrível como o brasileiro ainda não descobriu as belezas dessa parte da Argentina, incrivelmente não encontrei nenhum brazuca pelo caminho. Os Brasileiro vão todas as vezes para o mesmo circuito Buenos Aires/Bariloche (que aqui na Argentina estão chamando de “Brasiloche”) e se esquecem de que existem lugares tão lindos quanto estes na própria Argentina. Em resumo, eu recomendo 1 semaninha em Salta e região!!!

Só para concluir: essas viagens são muito legais, mas minha sugestão e uma pena que ainda não pude fazer isso por aqui na Argentina é você ir com calma, se hospedar nos hostels que há por todos esses pueblos e se integrar mais ao lugar. Em Los Cobres há hostel, em Pumamarca então... há vários. Eu como não tenho tanta disponibilidade de tempo tento conhecer o que posso dentro do possível, não é o ideal? Seguramente não, mas é o que posso fazer no momento...

Esse foi a 1ª parte da viagem, no próximo tópico falarei um pouco sobre a cidade de Salta e Cafayate que conhecemos nos dois dias seguintes...

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

.:. Mar del Plata .:.

No final de semana de 04 e 05 de dezembro fomos conhecer Mar del Plata, a "Long Beach", a Praia Grande/Santos dos Argentinos. Fomos de ônibus cama, muito bom, confortável, limpo, show de bola!! Saímos do terminal Retiro em Buenos Aires, foram umas 6 horas de viagem na ida porque pegamos um transito "alá São Paulo", como se diz aqui tudo "embotellado" (engarrafado) .

Mar del Plata fica a uns 400 km de Buenos Aires, longe prá caramba não acha? Não!! Para os Porteños essa não é uma longa distância, por isso que eu disse que Mar del Plata é a "Praia Grande", no verão uma grande quantidade de argentinos vão passar as férias de verão por lá.



A cidade é muito linda, limpa, arrumada, as praias são limpas, em compensão... muito feias. Não sei se seria porque estamos acostumados com as lindas praias brasileiras... e somos muito exigentes ... bem não sei, só sei que as praias de Mar del Plata são muito feias, e o pior, os caras mantém fixa um monte de malditas barracas, que aqui são chamadas "carpas"; eu até entendi do porque dessas barracas: servem para proteger os turistas do vento forte que todos os dias tem por lá, mas estragam totalmente a paisagem.

Outro coisa que não gostei: estou acostumado a ir na praia, sentar num quiosque e tomar uma cervejinha gelada, comer uma porçãozinha... pergunte como é o esquema lá? Não há quiosque, há sim alguns restaurantes (caríssimos) e a cerveja? Caríssima!!! E ninguém bebe ... só eu brasileiro na praia tomando cerveja... os argentinos, na grande maioria tomando Mate... Estranho isso né!!! Mas isso não é tudo... fomos conhecer Cariló, que fica a uns 110km antes de Mar del Plata, teoricamente a praia Top dessa região... realmente melhor que Mar del Plata, mais tranquila... em compensação: caríssima... tive que alugar um guarda sol, até aí normal, se não fosse num restaurante (no qual eu iria almoçar, esquisito né? Você ter que pagar o guarda sol no restaurante onde já vai pagar para comer) e além de tudo caríssimo ... adivinha quanto? $110,00 (Pesos)... equivalente a R$50,00... bem... "quem está na chuva é pra si queimá" e aceitei ser estorquido. Daí começa o pior: se o atendimento fosse bom... se não faltasse cerveja, se a cerveja fosse gelada... se o copo fosse de vidro... pois é copo de vidro... não se pode consumir cerveja na praia com copo de vidro... se... se... se fosse alguma dessas coisas até seria mais ou menos... mas não foi ... bem deixa prá lá, esqueçamos a cerveja de $25,00, e o almoço no pratinho plastico, o vendedor ambulante que não pode vender cerveja, só refrigerante eee... maconha, cerveja não!! Tinha dois caras na nossa frente comprando maconha descaradamente de um vendedor ambulante... eu fui perguntar para ele se ele tinha cerveja... ele tinha uma, mas falou que não podia vender para mim porque era proíbido, e a que estava lá era para consumo próprio... depois de uma certa insistência ele me vendeu uma latinha de Quilmes: $10,00.

Cervejinha vendida escondida na praia...


$25,00 uma Quilmes ....

Enfim, não recomendo essa região, pelo menos para nós brasileiros, pois vamos passar nervoso, se for não espere que seja tudo igual no Brasil...

Voltando a Mar del Plata conhecemos uma outra praia, chamada "Mar de La Pampa", pena que não pudemos ficar muito pois já estava anoitecendo um vento forte e frio começou a bater e resolvemos não conhecer mais nada e retornar a Mar del Plata.


As barracas... "carpas", acabam com a paisagem, porém tem uma finalidade, a proteção contra o forte vento que sopra em Mar del Plata

Quer uma barraca? Pague!!!


Um detalhe interessante: neste final de semana estava tendo o encontro dos países Ibero-Americano, tinha autoridades e presidentes da república de vários países da América, Portugal e Espanha. Quando estavamos caminhando pela orla, vimos a comitiva do Rei Juan da Espanha: carrão importado, seguramente blindado, uma comitiva de 12 motoqueiros batedores e duas ambulâncias. Lula também estava lá, tanto que até ganhou um presentinho da Cristina Kirchener, uma lembrança dele com o falecido Nestor... Então... essa foi a última viagem internacional oficial do nosso quase ex-presidente Lula, a última viagem do AeroLula, que agora deve ser reformado (pois deve estar com muitas horas de voô) e mudar de nome para AeroDilma (suerte)...

No domingão no final da tarde retornamos a Buenos Aires, de Busão... $130,00 e essa foi nossa "aventura" em Mar del Plata!! Final de semana que vem vamos conhecer Salta, aí sim será bom.... depois escrevo um pouco sobre essa nova aventura!! Bom final de semana a todos!!

Mais algumas fotos:


Em Cariló...

No restaurante que almoçamos antes de voltar para Buenos Aires

Debora, sem apetite

e claro, fomos conhecer a "fabrica" da Havana









Mais uma prá coleção, máquina com 15x de zoom é outra coisa...